Resenha do artigo “Como comprar a felicidade” – Gustavo Cerbasi

Atualizado em 19/03/2016
Publicado em 22/04/2012
Autor: Regina Di Ciommo

“COMO COMPRAR A FELICIDADE” – Gustavo Cerbasi

Resenha do artigo "Como comprar a felicidade" - Gustavo Cerbasi 1

photostock / FreeDigitalPhotos.net

O artigo de Gustavo Cerbasi é muito importante quando faz lembrar a conexão entre a compra da felicidade, através do consumo, que foi estudada por Bauman, em “A Modernidade Líquida e a Globalização”. É a questão de como o consumo gera uma insatisfação que alimenta o próprio consumo e como as pessoas buscam a felicidade ou no fim das contas, de como procuram comprar a felicidade.

Vivemos em uma sociedade em que o consumo divide as pessoas, entre os que podem e os que não podem consumir. Muitas pessoas, quando não conseguem o objeto do desejo de consumo chegam ao nervosismo e a não dormir a direito.

O consumidor é movido pela promessa da felicidade. Mais do que o simples fato de possuir, as pessoas buscam nos produtos a excitação de uma sensação nova. Podemos dizer que os consumidores se tornaram acumuladores de sensações!

Quando chegamos a essa roda viva de sensações que buscamos no consumo, nos tornamos aquilo que pode ser qualificado de “consumidor ideal”, o alvo preferido de qualquer campanha publicitária.

Se o consumidor se tornar plenamente satisfeito poder reduzir o seu consumo. No entanto, esse não é o objetivo do mercado. Pelo contrário, é preciso aumentar a capacidade de consumo e para isso os consumidores precisam ser mantidos alertas sempre e continuamente expostos a sensações e novas tentações, de preferência num estado de perpétua insatisfação. Para o mercado é importante que os desejos sejam mantidos.

 

Para isso, nada melhor do que a produção daquilo que é efêmero, que não dura. Exatamente para que as atrações e seduções possam continuar indefinidamente. A imitação dos estilos é muito útil e também ajuda a movimentar milhões. O detalhe é que não existe um momento de satisfação e felicidade. Ela é sempre temporária.

A sociedade moderna faz com que a satisfação e felicidade seja sempre adiada, para que “um dia…” possamos alcançar o nosso desejo. Para isso é preciso poupar e trabalhar, em nome desse dia no futuro. Quanto mais trabalhamos mais consumimos e quanto mais consumimos mais trabalhamos, num movimento infinito, adiando a nossa felicidade e satisfação, que é o fundamento do desenvolvimento e crescimento econômico afinal.

Quem sabe “um dia…” teremos o suficiente para consumir tudo que queremos. Não adianta pressa, porque não pode ser “ainda”. Enquanto isso continuamos trabalhando, na esperança de satisfação e felicidade. Esse estímulo é forte, é o poder motivador do desejo, que coloca as pessoas para trabalhar, permanecendo na esperança. Hoje a frase que definiria nossa sociedade seria parecida com “Trabalhadores de todo mundo, desejem!”

Se até bem pouco tempo o adiamento da felicidade nos fez trabalhar, investir e poupar, hoje já passamos para outro estágio, o da sociedade de consumidores. A modernidade valoriza o consumo já, para sermos felizes. Sem perceber acabamos transformando o consumo no supremo propósito da vida.

 

 Artigos relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Prestamos um serviço completamente gratuito para você
NUNCA faça qualquer tipo de depósito para conseguir seu empréstimo. Ficou com dúvida?
Leia nossos artigos para fazer um empréstimo seguro!