Inadimplência e Empréstimo – como um empréstimo pode ajudar a liquidar dívidas em condições mais favoráveis para o seu bolso.

Atualizado em 13/10/2014
Publicado em 16/08/2012
Autor: Regina Di Ciommo

Como consequência do crescente endividamento das famílias, a inadimplência está aumentando. Isso mostra um descontrole do consumidor para assumir novas dívidas.

A inadimplência aumentou 19,1% no primeiro semestre deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados do Serasa, no início de junho de 2012. A avaliação de dívidas apontou que houve uma alta de 15,4% em comparação com junho de 2011.

Image: FreeDigitalPhotos.net

Se você está com sua renda comprometida por dívidas que cobram juros altos, como cheque especial e cartão de crédito ou parcelas de alto valor, para pagar imóveis e veículos, é muito importante procurar uma maneira de aliviar o seu orçamento.

Segundo dados do Serasa, cada consumidor inadimplente tem uma média de quatro dívidas que não foram pagas. O mais preocupante é que 60% deles, ou seja, a maioria, tem um total de contas a pagar maior do que sua renda mensal.

As dívidas com lojas e utilizam carnês e as dívidas com bancos são as principais responsáveis pela inadimplência. Em seguida vêm os cheques sem fundos e os títulos protestados.

Em 2012 os cheques sem fundos devolvidos representaram um total de 2,08% de todos os cheques. Esse volume é maior do que no ano de 2010, mostrando que a inadimplência do consumidor aumentou.
Até para as empresas a situação vem se mostrando difícil, porque a inadimplência dos consumidores faz com que as vendas diminuam no mercado interno. Ao mesmo tempo, a crise internacional faz com que as exportações de produtos industrializados também estejam diminuindo. Esses dois fatores levam à inadimplência das empresas.

[leadform]

Se você é um consumidor que se encontra entre os inadimplentes saiba que existem saídas.
Em primeiro lugar, você deve se estabilizar, através do pagamento das dívidas, de forma gradual e com força de vontade para que o ciclo de endividamento não recomece novamente. No segundo semestre do ano, a tendência é que a inadimplência diminua. No final do ano a situação pode se normalizar, principalmente com o pagamento do décimo terceiro salário.
Uma das soluções para sair dessa fase de aperto é procurar um empréstimo com juros menores do que os cobrados pelo cheque especial e cartões, principalmente as opções do consignado e CDC (Crédito Direto ao Consumidor). Utilize o crédito para liquidar o que deve e comece a pagar parcelas menores, com juros inferiores. Faça todo o possível para usar o 13º. salário na antecipação de parcelas, assim a dívida será paga mais rapidamente.
A organização das finanças vai permitir que você saia da crise até o final do ano e comece uma nova fase positiva no seu orçamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Prestamos um serviço completamente gratuito para você
NUNCA faça qualquer tipo de depósito para conseguir seu empréstimo. Ficou com dúvida?
Leia nossos artigos para fazer um empréstimo seguro!