A importância da taxa básica de juros

A taxa de juros é, seguramente, a variável macroeconômica mais acompanhada pelos agentes econômicos e analistas do mercado devido à sua importância nas decisões de consumo dos indivíduos, nas escolhas do empresariado por investimentos produtivos e no endividamento público. A seguir explicarei de forma mais detalhada os impactos em cada um dos itens mencionados.

Antes, porém, é imperativo explicar como funciona a precificação da taxa básica. Simples. A taxa de juros tem como base o cálculo da taxa média das operações de financiamento que têm como lastro os títulos públicos federais. Ou seja, o quanto o governo federal estiver oferecendo para captar recursos frente a investidores individuais, bancos, dentre outros, serve como referência para a obtenção da taxa básica.

Agora voltemos para os três aspectos citados anteriormente. O primeiro é a influência da taxa básica no consumo dos indivíduos. Ora, quanto mais elevada a taxa de juros, maior será a propensão das pessoas em disponibilizar suas poupanças em aplicações financeiras atreladas aos juros básicos ou em adquirir diretamente títulos do governo federal mediante o tesouro direto. Com menos recursos disponíveis, o consumo das famílias tende a diminuir substancialmente, controlando dentre muitas variáveis, a tão temida inflação.

Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

E quanto aos investimentos produtivos? Todos nós sabemos que investimentos produtivos – aquisição de novas máquinas, por exemplo – só fazem sentido quando o retorno que vamos obter for maior do que a taxa básica de juros. Caso contrário, por qual razão iremos arriscar se podemos ter um rendimento maior colocando o dinheiro no banco? Portanto, quanto maior for a taxa de juros, menor será a disposição dos empresários em investir em uma maior produção futura mediante a aquisição de equipamentos. É por isso que se fala que uma taxa básica menor estimula o crescimento da economia.

E nosso terceiro item é o endividamento público. O governo tem como fontes de receitas principais a arrecadação tributária e a emissão de dívida (títulos públicos), pagando aos seus credores nessa segunda modalidade a taxa básica. Nesse caso, quanto maior for a taxa de juros, mais atrativos estes ativos se tornarão perante o mercado. Com certeza isso atrairá investidores, mas por outro lado a rolagem da dívida se tornará mais onerosa aos cofres públicos. E isso pode trazer muitas incertezas aos mercados financeiros.

De que forma? Os mercados observam atentamente os rendimentos exigidos pelos investidores para a manutenção desses papéis em suas carteiras, sendo que um pico de alta pode apontar descrédito quanto à capacidade governamental de honrar seus compromissos. É a situação atual da Europa. Muitos países que, literalmente, torraram dinheiro para sustentar uma estrutura burocrática onerosa e ineficiente agora tremem toda vez que precisam promover leilões de dívida em decorrência dos juros cobrados pelo mercado.

Portanto, a taxa de juros é o diferencial oferecido pelo governo federal para convencer os investidores a concederem empréstimos para o “melhor” pagador da praça – tanto em momentos de bonança como em períodos de agitação econômica. Entretanto, vale salientar que alterações na taxa básica não têm efeitos apenas nos três itens mencionados no início do texto, impactando também de forma substancial a cotação do dólar e, por conseguinte, as exportações e importações nacionais, além das contas nacionais.

Solicite seu empréstimo agora, preencha nosso formulário de cotação, clique aqui.

O Brasil é um paraíso, já que temos uma taxa básica de juros bastante elevada comparativamente com outros países. Dessa forma, o fluxo de capital à procura de aplicações financeiras de renda fixa é bastante substancial – o que gera uma oferta significativa de dólares no país. Com uma oferta elevada, a moeda americana se desvaloriza frente ao real – cuja demanda aumenta pela necessidade de nacionalizar recursos dolarizados. Com o poder de compra maior do real no mercado internacional – no qual as transações comerciais ocorrem em dólar -, as exportações brasileiras perdem competitividade. O setor exportador começa logo a reclamar.

Por outro lado, os insumos e maquinários utilizados pelas indústrias que são oriundos do exterior se tornam mais baratos em decorrência da valorização do real frente ao dólar. Os consumidores passam a adquirir produtos importados, o que prejudica os produtos nacionais. Além disso, com um real mais forte as famílias aproveitam o maior poder de compra da moeda brasileira para viajar ao Exterior, prejudicando a economia como um todo.

O Brasil carece de investimentos que acompanhem a forte demanda gerada pelo aumento da renda da população e as facilidades de crédito oferecidas pelo sistema financeiro. Por isso, a taxa de juros permanecerá como um instrumento crucial para o controle do consumo e, por conseguinte, da indesejada inflação. Nesse cenário, os produtos financeiros de renda fixa, especialmente os pós-fixados que acompanham as oscilações da taxa básica da economia, continuarão sendo boas opções de investimentos para os mais conservadores.

Artigos relacionados:

Sobre o autor: Artur Salles Lisboa de Oliveira

Formado em administração de empresas e possui 6 anos de experiência na BM&F Bovespa nos segmentos à vista e futuro. Profissional com certificações Cpa-20 (Anbima) e Ancord. Presta consultoria de investimentos para sites especializados. Colaborador de jornais no Exterior acerca do mercado financeiro brasileiro.

Gostou do nosso artigo? Que tal aproveitar e realizar uma simulação de empréstimo e receber excelentes propostas através dos parceiros do site Emprestimo.org
Clique Aqui!

Muitos leitores realizaram a simulação de um Empréstimo através de nosso site!

De quanto dinheiro você precisa?

Solicitar

Discussão

O Sensato February 6, 2015 at 10:48 pm

Interessante a publicação.
Não sei se poderiam me esclarecer ao certo: a influência entre a dívida pública sobre a inflação e sobre a taxa de juros, e como é que elas se relacionam, ou seja, mudanças nos níveis da dívida pública como é que pode influenciar a inflação e a taxa de juros.
Peço referencias bibliográficas ou fontes acompanhadas da respostas!
Att.

escola educação infantil salvador October 20, 2014 at 9:28 pm

Olá,

Muito bom o post, parabéns!

Investimentos em ações: sempre olhando para o centro financeiro mundial | Lições de Bolso November 18, 2013 at 8:43 pm

[…] passarão a pedir rendimentos maiores para adquirir dívida americana, o que resultará em uma taxa de juros mais alta. E quais são os impactos no […]

Vou Investir Blog » Blog Archive » Investimentos em ações: sempre olhando para o centro financeiro mundial November 7, 2013 at 11:01 am

[…] passarão a pedir rendimentos maiores para adquirir dívida americana, o que resultará em uma taxa de juros mais alta. E quais são os impactos no […]

Mercado financeiro: as decisões globais e a influência no Brasil | Webinsider November 4, 2013 at 3:56 pm

[…] globais passarão a cobrar mais caro para adquirir dívida americana, o que resultará em uma taxa de juros mais elevada. E quais são os impactos no […]

Vou Investir Blog » Blog Archive » O conceito de custo de oportunidade aplicado à Economia September 23, 2013 at 1:58 pm

[…] da sua casa própria hoje para aumentar o seu patrimônio através aplicações financeiras. A taxa de juros que você vai receber em decorrência do capital que você emprestará aos agentes deficitários […]

O conceito de custo de oportunidade aplicado à economia | Webinsider September 11, 2013 at 11:11 am

[…] mediante aplicações financeiras. A taxa de juros que você vai receber em decorrência do empréstimo que você concederá aos agentes deficitários que estão necessitando de recursos será o seu […]

Postar um comentário

Prestamos um serviço completamente gratuito pra você
NUNCA faça qualquer tipo de depósito para conseguir seu empréstimo. Ficou com dúvida? Entre em contato conosco.