April 11 2012

Rodrigo Leone

O homem mais rico da Babilônia – George S. Clason

Clason, George S. O homem mais rico da Babilônia. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

Título original: The Richest Man in Babylon

O livro “O homem mais rico da Babilônia” trata de disciplina, poupança e bons costumes financeiros. O conteúdo é a coletânea de uma série de panfletos sobre economia e sucesso financeiro, escritos pelo autor do livro e distribuídos em grande quantidade pelos bancos, companhias de seguros e empregadores, nos anos 20 do século XX. O interessante e diferente nesse caso é que, para transmitir as mensagens, o autor usa parábolas ambientadas na antiga Babilônia. Isso talvez tenha sido a razão para a aceitação e familiarização desse conteúdo por milhões de pessoas ao redor do mundo.

Seguem algumas passagens do livro, com breves comentários:

“Qual pode ser o maior anseio de vocês? A satisfação dos desejos de cada dia, uma jóia, um adorno, melhores roupas, mais comida? Coisas que rapidamente se vão e são esquecidas? Ou, pelo contrário, sonhariam com bens mais estáveis – ouro, terras, rebanhos, mercadorias –, investimentos que trazem bons lucros? As moedas que vocês usam no dia-a-dia concedem aqueles primeiros desejos. As que vocês guardam, os segundos.”

Comentário: esse trecho faz parte do capítulo “Sete soluções para a falta de dinheiro”. Está na primeira solução apresentada: “Comece a fazer seu dinheiro crescer”. A mensagem aqui é sobre a importância de poupar. Não é possível fazer seu dinheiro crescer se você gasta tudo que possui (principalmente com os desejos de cada dia).

“’O que você precisa, meu jovem’, disse-lhe eu, ‘é de uma remuneração maior. O que faz para aumentar sua capacidade de ganhos?’

‘Tudo o que posso’, respondeu ele. ‘Por seis vezes em duas luas procurei meu patrão para pedir-lhe aumento, mas sem sucesso. Ninguém insiste tanto assim.’

Não pude deixar de sorrir diante daquela ingenuidade, mas ele possuía um dos mais vitais requisitos para aumentar seus ganhos. Dentro dele havia o enorme desejo de ganhar mais, um correto e elogiável desejo.”

Comentário: esse trecho faz parte da sétima solução do mesmo capítulo: “Aumente sua capacidade para ganhar”. A mensagem aqui é de ter atitude, comportar-se de forma a conseguir o que quer. Por em prática os planos e as decisões.

Há um ditado que diz que “Uma decisão que não foi colocada em prática não passou de boa vontade.” No mesmo capítulo, pouco mais adiante, o autor diz que “desejos gerais não passam de vagas aspirações.” É preciso definir perfeitamente seus objetivos. Isso é condição fundamental para o sucesso de suas finanças pessoais.

“É melhor uma pequena cautela do que um grande remorso.”

Comentário: com essa frase, o autor encerra o capítulo “O emprestador de dinheiro da Babilônia”. Nesse capítulo, a mensagem principal é de saber onde você vai investir seu dinheiro. É preciso saber o que o tomador pretende fazer com o dinheiro, sob pena dele não ter o retorno esperado e não poder lhe pagar juros e, quem sabe, nem o principal. É a famosa frase: “O problema da dívida é do credor.”

“Jovem e sem experiência, não sabia que aquele que gasta mais do que ganha está semeando os ventos da auto-indulgência, naturalmente desnecessária, de onde pode estar certo de que colherá turbilhões de problemas e humilhação.”

Comentário: esse trecho está no capítulo “O negociante de camelos da Babilônia”. A mensagem aqui é do consumo consciente, base para a poupança e, consequentemente, para o investimento e para a riqueza. Nada mais atual em tempos de facilidade de crédito e apologia ao consumo.

Por: Rodrigo Leone – Blog Vou investir

 

 Artigos relacionados:

Sobre o autor: Rodrigo Leone

Rodrigo Leone é doutor em Otimização, mestre em Matemática e especialista em Administração Financeira. Consultor financeiro pessoal e empresarial. É redator-chefe do Blog Vou Investir do Diário de Pernambuco e também professor do mestrado profissional em Administração da Universidade Potiguar (RN) e do Ibmec (RJ).


Discussão

Sem comentários. Seja o primeiro a responder!

Postar um comentário